LFF – 3º Dia

Viggo Mortensen apresenta "The Road" e Colin Firth apresenta "A Single Man": futuros indicados ao Oscar de ator 2010?

Futuros indicados ao Oscar?? Viggo Mortesen apresenta "The Road" e Colin Firth "A Single Man"

Filme: A Single Man

Nota: * * * *½

Quem tava por lá: Tom Ford, Colin Firth, Nicholas Hault, Matthew Goode

A sessão: Me pareceu um tapete vermelho super discreto, sem grandes badalações, talvez pelo elenco menos popstar. Foi quase um “ensaio” pra Viggo & cia que viria logo depois. Briguei feio com a cãmera dessa vez e perdi a paciência com a porra do foco que não tem jeito de funcionar direito. Merda, não consegui uma foto decente do elenco. O trio de britânicos Firth/Hault/Goode foi entusiasticamente saudado pelo diretor estreante Tom Ford – a começar por suas estaturas, todos gigantes de 1,90m, incluindo Hault, até ontem o pivete dentucinho de About a Boy! Faltou só Julianne… ahhh Ju… ainda tem tempo… semana que vem eu te pego.

O filme: Tinha boas expectativas quanto ao filme, mais pela atuação de Colin Firth – já bombadíssimo para o Oscar de melhor ator – do que pela história em si. Que nada. O filme é lindo. Simples e surpreendente. Nada de novo na história, mas ao mesmo tempo tão envolvente, tão bem contado, tão bem interpretado. Olha, o ex-cabeça da Gucci mostrou mesmo a que veio. Ousado na montagem e na fotografia, misturando cores e texturas. Nada de revolucionário e até já visto em outros filmes, mas funciona tão bem, se adapta tão bem às emoções contidas do filme, que não tem como não se encantar. Colin merece todos os prêmios futuros e acho que Juju vai pra coadjuvante também – ótima como sempre.

Zen que só ele: Viggo, do alto de seus quase 51 anos (!!!!) autografando pro povo antes do filme

Zen que só ele: Viggo Mortensen, do alto de seus 51 anos (!!!) autografou por horas

 

Filme: The Road

Nota: * * *½

Quem tava por lá: Viggo Mortensen, John Hillcoat, John Hurt, Jason Isaacs

A sessão: Muvuca das boas. Saí da primeira sessão com intenção de passar num McDonald´s pra comer algo. Saio pela lateral do cinema, distraído, mexendo na câmera dentro da bolsa e quase bato num véio. Opa, desculpa…. John Hurt! hahaha coisa surreal. Simplesmente tropecei no Homem-Elefante, coisa básica. Simpático que só ele, risonho, disponível, uma surpresa. Cheguei a posar com a câmera junto com ele, mas o zoom tava acionado e só saiu um clarão da cara dele, enorme 🙂 Nisso, o Viggo Mortensen já tá no tapete vermelho autografando… vou até a saída e ele tá ali dando sopa, bem no inicinho da grade, com meia dúzia só na volta. Não resisto, paro pra tirar umas fotinhas de perto. Nisso, o cartão de memória tava na outra máquina … resultado: 8 fotos pra tirar só. Ok, tirei, vou comer. Chego na esquina: oi Sir Ben Kingsley, tudo bem com o sr.? hahaha Agora é o Gandhi que se atravessa na minha frente. Puxo a câmera pra tirar uma foto, acabou a pilha. E ele saindo, esperando por um táxi ou carro. Pego a mochila pra procurar as outras duas pilhas. Nisso, eu do lado dele, parado. DO-LA-DO, tipo pedestres esperando abrir o sinal sabe? eu trocando a pilha, tremendo feito vara verde e ele ali, um Sir da Rainha, vencedor do Oscar, puta ator. Muito engraçado, pra não dizer ilógico. Quando consegui achar espaço na câmera, o carro dele se aproxima. Mas valeu, ô se valeu. E o resultado gastronômico, por causa da falta de tempo pra outra sessão: um pacote de Doritos já dentro do cinema :O Já lá, a diretora do festival rasga seda pro filme, dizendo ser um dos melhores de toda a mostra. John Hillcoat apresenta o roteirista e o seu ator principal. Cara, eu acho o Viggo meio esquisito. Grandalhão, com aquele cabelo lisíssimo, sempre impecável. Sei lá, acho que ele tem um jeito feminino. Ou meio hippie, zen demais. Aquele timbre de voz anasalado, pausado. É o charme dele, claro, mas não deixa de ser estranho. Amanhã vai ter entrevista com ele no Bafta Academy. Vamos tirar a prova.

O filme: Pra resumir, a diretora do festival exagerou. Disse ser o filme que mais a impactou e permaneceu na sua memória nos últimos meses. Será? Mais que Michael Haneke? Mais que Lars Von Trier? A história é muito boa – baseada no livro do Cormac McCarthy, o mesmo de No Country for Old Men – mas nada 100% original e revolucionária. Quantos filmes já vimos recentemente sobre mundos apocalípticos, e heróis procurando sobrevivência em meio ao caos desesperador? Me veio logo uns três à mente vendo o filme: Eu Sou a Lenda, Extermínio e o antigão Vivos, sobre os sobrevivente dos Andes (eu acho). O diferencial, porém, é a relação pai-e-filho, que traz toda a carga dramática ao filme. E a dupla de atores está mesmo ótima (o guri australiano promete!). Fotografia e direção de arte estupendas e uma ponta sensacional de Robert Duvall – digna de uma indicação pra coadjuvante.

Tropeçando em dois cânones britânicos: John Hurt e Sir Ben Kingsley

Tropeçando em dois cânones britânicos: John Hurt e Sir Ben Kingsley

Advertisements

Leave a comment

Filed under Famosos, Festivais, Filmes vistos

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s